DEPRESSÃO PÓS-PARTO


mãe, bebê, depressão pós parto
Fonte: Hospital Santa Clara

A depressão pós-parto é uma doença relacionada à saúde mental das mamães que causa sintomas como tristeza profunda, choro, sensação de vazio, ansiedade, falta de energia e mudanças no padrão de sono.

Sem o tratamento adequado, ela não vai embora sozinha! A doença exige uma série de cuidados específicos como terapia e a ingestão de remédios antidepressivos.

É super importante lembrar que a depressão pós-parto não é culpa da mulher e nem significa a rejeição ao bebê!!

Para entendermos como ajudar nossas mães, irmãs e esposas que estejam passando por esse momento, devemos primeiro entender como a doença se comporta e o que ela faz no organismo.

Primeiro, devemos entender que a depressão pós-parto é super comum. Cerca de 10% das mulheres são afetadas ao longo do primeiro ano que tiveram seus bebês - muitas delas já apresentam os sintomas ainda na gravidez.

Ela está ligada às mudanças hormonais que ocorrem no organismo durante a gestação e também há outros fatores como ambientais, psicológicos e genéticos que estão fora do controle de qualquer pessoa.

A tristeza que ocorre nas primeiras semanas depois do parto, os chamados blues puerperal, é normal na maioria das mulheres. Porém, no caso da depressão pós-parto, esse sentimento não melhoram com o passar do tempo, pelo contrário, podem até piorar!

Em alguns casos, a mulher está se sentindo bem e se adaptando à nova vida como mãe e a depressão aparece. Em outros casos, ela já se sentia deprimida durante a gravidez e, com a chegada do bebê, isso não passa.

Alguns sintomas são:

- Constante tristeza e desânimo;

- Choro excessivo;

- Sentimento de culpa e negativismo;

- Exaustão permanente;

- Alta irritabilidade;

- Altas variações de humor;

- Medo de tudo em relação ao bebê;

É claro que ter dias ruins de vez em quando é super normal, mas se esses sentimentos permanecerem na maioria dos dias e não aparenta estar melhorando, você pode estar com depressão pós-parto e deve procurar ajuda profissional.

O tratamento é semelhante ao da depressão: sessões de terapia, antidepressivos ou ambos (dependendo da gravidade dos sintomas).

Fazer terapia, consultar médicos psiquiatras ou tomar algum remédio não é sinal de fraqueza! Mas sim, indica a sua vontade e disposição para fazer tudo o que for possível para melhorar e manter o seu bebê saudável e seguro.

Com a ajuda correta, você vai se sentir muito melhor!