Minha filha não come praticamente nada. Isso é normal?


alimentação saudável, criança
imagem ilustrativa

A falta de apetite em crianças entre 1 a 3 anos é super normal, a menos que ela não esteja emagrecendo demais. Se o desenvolvimento está adequado, não há motivo para preocupação, pois é bem provável que ela esteja compensando o pouco que come, se alimentando melhor em outras refeições.


As visitas periódicas ao pediatra, pelo menos de seis em seis meses, para que ele avalie a curva de desenvolvimento físico da criança é super importante! O cuidado é essencial pois, certas crianças cismam em comer somente um tipo de comida durante semanas e, como grande problema, acabam deixando de ingerir vitaminas e nutrientes indispensáveis para o seu desenvolvimento.


Por isso, oferecer uma dieta variada e rica em nutrientes de diversos grupos alimentares como proteínas, verduras, legumes, feijão, raízes e tubérculos é dever dos pais! Caso você note que algum alimento agrada mais que outros, aproveite para incorporar alimentos mais saudáveis em seu preparo. Por exemplo:


Se a criança se interessa mais por macarrão, incorpore verduras no molho, intercalando os acompanhamentos com aquele sabor que ela já está habituada, podendo torná-la mais aberta às novidades.


Outra ideia é fazer com que as refeições se tornem mais divertidas, inventando formas e brincando com as cores da comida, convidando-a a participar da preparação da comida - tomando sempre cuidado com fogão e alimentos quentes - tornando o processo mais interessante para ela.


alimentação saudável, nutrição, criança
Imagem disponível em Blog Escola Vereda

É importante que os pais saibam respeitar o nível de fome e saciedade da criança. Segure a vontade de oferecer “só mais uma colher para a mamãe ficar contente!”, quanto mais você forçar, mais ela vai resistir. Saiba que, de modo geral, a porção total de comida de uma criança de 1 ou 2 anos, não vai além de cinco ou seis colheres de sopa.


As crianças, geralmente, se sentem intimidadas por pratos muito cheios de comida e acabam perdendo o apetite! Comece oferecendo pouco e, se ela quiser, vá aumentando as colheradas.


Lembre-se de sempre comentar com o médico de seu filho sobre como ele se alimentou durante o mês. Dependendo da avaliação, pode ser que ele acabe encaminhando-o para um nutricionista ou fonoaudiólogo, a fim de investigar outras causas para a sua falta de apetite.